1000 quilômetros de Brasil, 1000 de Uruguai – Quarto dia


(No artigo anterior, contei como quase derretemos ao longo dos 526km – feitos em 11 horas – entre Montevidéu e Jaguarão: chegamos ao Brasil felizes pelas belezas que vimos nos lugares por onde passamos.)

Depois de uma noite mal dormida – talvez resultado dos 1500km rodados, das parrilladas, das cervejadas, do calor ou de tudo misturado -, caí da cama cedo e fiz uma vistoria no apartamento: a bagunça era grande (feita com a minha contribuição, claro) e, como todos ainda dormiam, tive a impressão que várias motosserras estavam ligadas ao mesmo tempo. Arrumei as minhas tralhas e esperei o pessoal acordar: segundo nossos planos, tomaríamos café, passaríamos nos free-shops para as compras finais e depois pegaríamos o último trecho que nos separava de casa.

Realizadas as atividades matinais, abastecemos as motos com a pior gasolina de toda a viagem (as Shadows, que em geral rodam 180km antes de pedir reserva, engasgaram 120km depois de Jaguarão) e colocamos as máquinas na BR-116, estrada por onde rodaríamos até Porto Alegre;  pelo caminho, cumprimentamos os muitos motociclistas que se dirigiam ao 10º Motofest.

Aproveitando a linha reta que é a BR-116, deixei de lado o mp3 player 200km antes de casa e fiz um balanço mental da viagem na solidão do capacete: 5 amigos, belas estradas, lindas paisagens, cervejas geladas, comidas típicas… Foi uma bela motocada. Na chegada a Porto Alegre, encostamos as motos no mesmo posto de gasolina da partida e comemoramos o sucesso da viagem: nem um único contratempo em quase 2 mil quilômetros de chão. Resta a mim agradecer aos companheiros pela parceria, pela paciência e começar a rascunhar a próxima empreitada.

Gracias, paisanos!

Rota do quarto dia

Ponte sobre o Rio Jaguarão

Dados do GPS do quarto dia de viagem

Números da viagem:

  • Distância total percorrida: 1976 km
  • Valor total gasto (combustível+comida+hospedagem): R$450,00 530,00
  • Média de consumo de combustível: 16,7 km/l (melhor: 17,1 km/l; pior: 14,4 km/l)
  • Velocidade média: 82,77 km/h
  • Tempo total de pilotagem: 23h48min
  • Parrilladas: 2
  • Borós estourados: 1
  • Capacetes quebrados: 1
  • Cervejas geladas: n+1
  • Crianças felizes: 5

1000 quilômetros de Brasil, 1000 de Uruguai – Terceiro dia


(No artigo anterior, escrevi sobre a torreira de sol que encaramos entre Rivera e Montevidéu: para compensar o esforço, nos aboletamos em um bar do Mercado del Puerto e, mais uma vez, fizemos a festa ao redor de uma parrillada.)

Pelo terceiro dia consecutivo a previsão do tempo acertou em cheio: sol e mais sol. Amanheceu cedo em Montevidéu e, pouco tempo depois do astro-rei, demos as caras na rua – afinal, tínhamos um compromisso inadiável logo cedo: retirar as motos do canto do estacionamento onde ficam as lixeiras, único local disponível na noite de quinta-feira.

Com as motos carregadas, rumamos para o primeiro posto de gasolina da costanera e as abastecemos; dali em diante, fomos em uma tocada sem pressa, aproveitando a brisa e o visual. Não muito mais adiante, paramos para um café da manhã e entramos na ótima Ruta Interbalnearia, por onde fomos até Punta del Este. Na chegada, o visual impressionante fez com que voltássemos ao ritmo lento do início do dia para aproveitar cada minuto daquela paisagem estonteante: enquanto andávamos, víamos Ferraris, Porsches, iates, veleiros e até um navio de cruzeiro atracado ao alcance dos nossos olhos. Punta realmente é uma praia diferenciada.

Depois de visitarmos a conhecida escultura Los Dedos, decidimos imprimir uma velocidade maior na nossa viagem, pois já faziam algumas horas que estávamos motocando e havíamos rodado pouco mais de 100 km. Seguindo os conselhos do GPS, saímos de Punta e nos dirigimos a San Carlos, onde abastecemos as motos e almoçamos no McDonald’s local (um choripán excelente, diga-se de passagem). Fugindo do sol forte do meio-dia, ficamos mais uns minutos aproveitando a sombra das árvores da praça e, depois de equipados (a muito custo, já que o calor era intenso), voltamos a seguir o GPS para encontrarmos Minas. O trecho de 50 km (pela RP12) antes desta cidade parecia suspeito, com a estrada em obras, mas acabou se revelando um dos mais bonitos por onde passamos: subindo e descendo entre os morros da região, aproveitamos as curvas e a paisagem que incluía fazendas, arroios e até aerogeradores.

Entre Minas e Treintra y Tres, conversamos com outros motociclistas nos postos de gasolina onde paramos, tiramos fotos, tomamos litros de água para aliviar o calor e fomos atacados pela policia caminera; logo em seguida, encontramos o único trecho ruim de estrada em toda a viagem: por estar em construção, um segmento da RP18 fez com que diminuíssemos bastante o ritmo da tocada, pois as motos dançavam sobre a pista. De volta ao asfalto, aceleramos para completar os poucos quilômetros que nos separavam de Rio Branco.

Nosso companheiro esquecido (o do passaporte) nos pregou mais uma peça: responsável pela reserva da hospedagem em Jaguarão, ele fez tudo certo – só esqueceu o nome e o endereço do lugar. Depois de algumas ligações, encontramos o rumo e não demorou muito para nos espalharmos na sacada do apartamento com as geladas na mão para o tradicional relaxamento do fim do dia. Depois de um banho para amenizar o calor, caminhamos pelo 10º Motofest (que vou detalhar em outro artigo) e jantamos no restaurante do hotel Sinuelo. Como o cansaço era grande (desde a saída do hotel em Montevidéu, foram mais de 7 horas e meia de pilotagem até a chegada em Jaguarão), voltamos ao apartamento já com a cabeça nos 400 km que nos separavam de casa.

Rota do terceiro dia

Saída do hotel em Montevidéu

Punta Ballena

Punta del Este

Punta del Este

Dados do GPS do terceiro dia de viagem

1000 quilômetros de Brasil, 1000 de Uruguai – Segundo dia


(Conforme relatei no artigo anterior, precisávamos buscar o passaporte de um dos integrantes da comitiva na loja da Ouro e Prata, já que ele havia sido colocado no ônibus em Porto Alegre na noite anterior, para que pudéssemos entrar no Uruguai).

Apesar de baleados pela Zillertal* na noite anterior, acordamos relativamente cedo e, logo após o café (que tentou achar espaço nas barrigas ainda ocupadas pela parrillada), saímos para cumprir os compromissos anteriores à entrada no Uruguai: abastecer as motos, localizar o passaporte perdido e passar pela inmigración em Rivera. Depois de muito rodar, conseguimos achar o documento e, já perto das 11h, realizar os trâmites de entrada: oficialmente no Uruguai, nos mandamos pela Ruta 5 com o firme propósito de chegarmos a Montevidéu ainda com a luz do dia.

O bom piso da Ruta 5 e o pouquíssimo trânsito colaboraram para que conseguíssemos chegar bem antes do fim da tarde em Montevidéu: praticamente uma linha reta, ela é pedagiada mas motos não pagam. Pelo caminho, muito cultivo de eucalipto e algumas cabeças de gado: a seca que aparentemente se abateu sobre a região deixou no chão as marcas do que outrora deveriam ser açudes e banhados.

A chegada a Montevidéu pela RN5 impressiona: o antes fraco trânsito dá lugar a pistas lotadas e o campo a perder de vista da calma paisagem é substituído por prédios de todos os tamanhos e idades: tocamos direto para o hotel, onde tomamos um banho para recuperar o corpo do longo período sob o forte sol de janeiro e rumamos a pé, pela Rambla República de Argentina (depois chamada de Rambla Gran Bretaña e por fim Rambla Francia), para o Mercado del Puerto. O fim de tarde estava cinematográfico e, impressionados com a beleza do lugar, nos misturamos aos turistas e moradores da região que caminhavam, andavam de bicicleta, fotografavam e até pescavam por ali.

Na chegada ao Mercado del Puerto, uma mistura de alegria e decepção: a parte interna, onde estão muitos dos bares, lojas e restaurantes, atualmente encerra suas atividades às 17h. Uma pena, já que eu tinha feito uma propaganda enorme do lugar aos que não o conheciam e eu mesmo estava com saudades da parrillada no balcão e de caminhar por entre os corredores calçados com pedras centenárias. Nos aboletamos então em um dos restaurantes da rua e comemos uma bela parrillada regada a Budweiser (eu sei, eu sei: Bud não é exatamente um produto típico da região, mas era o que havia para tomar). Poucas horas depois, voltamos ao hotel para o merecido descanso, pois os esqueletos já apresentavam os sinais dos mais de mil quilômetros percorridos.

Rota do segundo dia

Finalmente o passaporte perdido foi encontrado

Chegada a Tacuarembo

Parados na estrada debaixo de um sol de rachar

Rambla em Montevidéu

Parrillada no Mercado del Puerto

Dados do GPS do segundo dia de viagem

*A  ótima cerveja Uruguaia Zillertal acabou injustamente apelidada de Zillersal, já que no dia seguinte não havia água que chegasse para seus consumidores (claro: se fosse bebida em menor quantidade não produziria esse resultado). Para falar a verdade, para alguns o problema começou já na madrugada: como as águas minerais que estavam no frigobar congelaram, um integrante da comitiva, desesperado por um gole d’água, pegou aquela congelada mesmo e a tascou na água quente da torneira do banheiro até que pudesse ser bebida.

    REDES:  

  • rss
  • youtube
  •  
  • PESQUISAR NOS ARQUIVOS: