A Pedra Equilibrada de Mariana Pimentel


Rota: Porto Alegre / Eldorado do Sul / Mariana Pimentel / Guaíba / Eldorado do Sul / Porto Alegre

Distância percorrida: 200 km

Tem feito frio na província de São Pedro do Rio Grande do Sul.

Na manhã de ontem, providencialmente, o dia clareou com calorosos 7 °C e facilitou a vida de quem, assim como nós, resolveu colocar a moto na estrada. O destino, a cidade de Mariana Pimentel (RS), possui menos de 5.000 habitantes e nela está localizada a Pedra Equilibrada, um gigante de aproximadamente 750 toneladas que desafia as leis da física.

Apesar do acesso principal da cidade estar a apenas 18 quilômetros da BR-116, optamos por chegar pelo norte, cruzando plantações de eucalipto, cabanhas e sítios ao longo de 35 quilômetros não pavimentados da RS-711. O acesso, para quem vem pela BR-290, é discreto e a placa que diz “Mariana Pimentel 35 km” está coberta pela vegetação – e ela só existe por que uma boa alma se deu ao trabalho de fazer isso: não é uma sinalização do DNIT.

O caminho todo é o seguinte:

mapa_pedra_equilibrada

Além do acesso mal sinalizado, ainda há outra pegadinha nesse passeio: quando chegamos ao local onde o GPS apontava o acesso à Pedra Equilibrada, não enxergamos estrada alguma. Apesar da pedra estar visível da estrada, parecia que seria necessário passar por dentro de uma propriedade privada para chegar até ela; perguntamos em uma casa próxima e fomos informados que era só abrir a porteira (e fechar, para o gado não sair) e entrar.

Posicionada no topo de um pequeno morro, a Pedra Equilibrada impressiona pelo tamanho e, ainda mais, pelo pequeno ponto de apoio que a sustenta. É possível escalar as pedras que ficam ao redor da Equilibrada, mas é preciso tomar cuidado com o limo e os consequentes escorregões que ele pode causar (e sim, fui eu quem quase protagonizou uma vídeocassetada).

A volta para a capital dos gaúchos foi rápida e tranquila (motos não pagam nos dois pedágios do caminho), apesar do movimento intenso da BR-116 no trecho em que ainda é mão dupla – mas que pode ser uma boa opção para quem deseja rodar menos por estradas sem pavimento: desde Porto Alegre, pela BR-116, são apenas 75 km até Mariana Pimentel.

Estrada da Varzinha


Rota: Porto Alegre / Águas Claras / Viamão / Porto Alegre

Distância percorrida: 130 km

Poucos quilômetros separam o centro de Porto Alegre (RS) de sua zona rural, fato incomum para uma metrópole. Lá, é possível encontrar cabanhas, arrozais, vendas – e aí cabem bares, botecos e assemelhados – tipicamente interioranas e um emaranhado de estradas de chão batido às margens da Lagoa dos Patos.

Minha primeira incursão pela região aconteceu há pouco mais de 2 anos atrás, quando resolvi voltar às trails e adquiri uma Honda XR250 Tornado: ontem, saímos para uma sessão no barro da Estrada da Varzinha que durou algumas poucas mas divertidas horas e que incluiu até um lanche bastante saudável (salame, queijo e bolo de laranja).

Para quem tem pouco tempo (como era o meu caso ontem) mas quer sair para uma motocada rápida, fica a dica da Zona Sul de Porto Alegre (a Estrada da Varzinha pertence ao município de Viamão). Diversão garantida no quintal de casa.

Rota - Estrada da Varzinha

Vídeo: Atacama, uma maravilha da natureza – Parte 2


No primeiro vídeo, os principais trechos asfaltados da viagem a San Pedro de Atacama (no Chile) foram mostrados; neste segundo, aparecem alguns dos segmentos de chão batido por onde passamos e os cenários ao redor deles. É uma boa amostra do tipo de estrada que espera o nobre leitor no norte da Argentina e no Chile: veja o vídeo, coloque a moto na estrada e aproveite as belezas que nossos hermanos possuem – e depois compartilhe a experiência conosco, claro.

    REDES:  

  • rss
  • youtube
  •  
  • PESQUISAR NOS ARQUIVOS: