Revisão do filtro de ar da BMW F 800 GS


Final de semana prolongado sem nenhuma motocada é sinônimo de manutenção: a corrente estava pedindo um ajuste, depois da última lavagem não executei a lubrificação geral de sempre e, indispensável para quem roda em estradas de chão batido, o filtro de ar não ganhava uma vistoria há horas.

E por que o filtro é tão importante? Voltemos às aulas de química:

Nos motores de combustão interna é preciso que estejam presentes na mistura* combustível (gasolina) e comburente (oxigênio) para que aconteça a explosão e a consequente conversão da energia resultante para movimentar a motocicleta.

Como existem partículas suspensas no ar, é preciso filtrá-lo antes que ele seja colocado na câmara de combustão – e o problema decorrente de um filtro de ar comprometido ou da ausência dele é evidente: sugada para o motor, uma impureza qualquer pode causar um dano considerável. Não é absurdo pensar, olhando o tamanho das entradas de ar da F 800 GS, que um pedrisco atirado pela moto da frente em uma sessão de off-road precisa ser impedido pelo filtro de chegar ao motor.

Para chegar ao filtro de ar da GS, é preciso retirar a carenagem que cobre o próprio e a bateria; para isso, depois do banco, é preciso retirar os 4 parafusos que ficam aparentes e mais dois escondidos, que fixam o acabamento da ignição na coluna de direção. Retirados esses parafusos – todos torx -, falta apenas soltar o cabo que alimenta o ponto de força que fica ao lado da ignição.

Parafuso de fixação da tampa

Sem a carenagem, ganha-se acesso à caixa do filtro de ar e à bateria: retirada a tampa do filtro (ela é presa por outros 4 parafusos torx e apenas encaixada nos dutos de tomada de ar), é possível enxergar o próprio elemento filtrante e a sujeira que fica depositada ao redor dele.

Filtro de ar/bateria BMW F 800 GS

Tampa filtro de ar/bateria BMW F 800 GS

Filtro de ar/bateria BMW F 800 GS

Filtro de ar BMW F 800 GS

Apesar da limpeza inicial da tampa do filtro e da proteção da bateria (para evitar que o ato de mexer nas peças faça com que a sujeira acabe dentro da caixa de ar), há ainda um outro local com acúmulo de pó em uma posição bem mais delicada: ao tentar limpar as bordas onde o filtro encaixa, é possível que as impurezas caiam em uma posição posterior ao filtro na caixa de ar.

Caixa do filtro de ar BMW F 800 GS

Minha solução doméstica foi usar um aspirador de pó para limpar as bordas, mas não sem antes reparar no tipo de sujeira que o filtro de ar mantém afastada da câmara de combustão. A tela metálica que protege o elemento filtrante é plenamente justificável, ainda mais em motos com vocação off-road.

E o filtro passa bem, obrigado. Ainda vai aguentar muitos quilômetros de sujeira.

(N. do E.: o termo “mistura” se refere à quantidade de partes de oxigênio por parte de combustível injetadas na câmara de combustão do motor: quanto menos partes de oxigênio, mais rica a mistura; quanto mais, mais pobre. À mistura perfeita se dá o nome de estequiométrica, que teoricamente é de 14,7:1 no caso da gasolina.)

6 Comentários

Piréx, bem documentada esta manutenção, como sempre. Será que nas CCs tomam estes cuidados ? O capricho faz a diferença !

Abraços !

Pirex, eu também dou uma olhada no filtro de vez em quando, mas tem um negócio que me deixa encabulado e que quero compartilhar para ver se mais alguém tem a mesma impressão: é que o filtro está sempre limpo! Limpo demais, na verdade.

Não sou nenhum profissional, claro, mas faço minhas trilhas de vez em quando, uso estradas de terra ou barro, sempre com muita poeira no ar, eventualmente ultrapassando veículos e comendo poeira, literalmente, e até já levei um tombo feio numa curva exagerada numa estrada de terra e pedras que amassou meu escapamento e deixou a moto vestida de areia. Apesar disso tudo, nunca peguei o filtro realmente sujo.

Isso me deixa com uma pulga enorme me beliscando a orelha. Será que o motor tem uma entrada de ar em falso? Será que a poeira fica presa em algum ponto antes do filtro (na tubulação da caixa de ar, por exemplo)? Eu acho muito estranho…

O mesmo acontece com você?

Fernando:
É difícil afirmar como é o trabalho na concessionária e mais difícil ainda generalizar, uma vez que falam bem de umas e mal de outras – mas é certo que ninguém cuida como nós, proprietários, cuidamos. Compartilhar experiências de manutenção serve, entre outras coisas, para que possamos tratar nós mesmos das nossas companheiras de estrada.

Gilberto:
Realmente o filtro de ar – como é possível ver na penúltima foto – está bem limpo… Mas eu pensei que a razão era uma possível troca na última manutenção que fiz na concessionária (vou verificar pelas notas fiscais quando trocaram). Eu acredito que bastante sujeira chegue até ali pela quantidade acumulada nas bordas da caixa (que aparece bem na última foto) e pela sujeira aparente no filtro quando se olha através da tela. Mas é uma boa discussão.

Abraços!

Gilberto, completando a minha resposta: não encontrei nada nos dutos que justificasse esse acúmulo de poeira, então esse trabalho deve ser só do filtro mesmo. O elemento filtrante foi trocado duas vezes (nas revisões de 10.000 km, R$ 135, e 20.000 km, R$ 170,00) e essa última aconteceu em abril de 2013, imediatamente antes da minha ida ao Atacama, quando percorri pelo menos 350 km de chão batido e certamente sujei bastante o filtro. Ainda não é o bastante para que cheguemos a uma conclusão, mas sigamos trocando idéias.

Grande abraço!

Gostaria de saber dos amigos do site se alguém já fez a instalação de um rastreador em uma BMW F800? Um amigo tem tem uma e eu trabalho com rastreadores, mas geralmente instalamos em motos nacionais mais simples. Poderiam me dar algumas dicas sobre o chicote dela: localização, esquema de fios, etc. Agradeço ao apoio.

José Roberto, faz pouco que a BMW autorizou a instalação de rastreadores em suas motos e somente dentro das suas concessionárias (para manter a garantia), então te confesso que não sei como o procedimento é feito.

Abraço!

Deixe um comentário

    REDES:  

  • rss
  • youtube
  •  
  • PESQUISAR NOS ARQUIVOS: