Troca de óleo da BMW F 800 GS (23.000 km)


Quem acompanha o Diário de Bordo sabe que sou do Partido da Manutenção em Casa por vários motivos: para quem viaja é imprescindível conhecer o básico de mecânica para resolver um problema simples; na hora de discutir com a concessionária, demonstrar conhecimento evita uma eventual tentativa de enrolação; economizar alguns trocados sempre é bom e por último mas não menos importante, passar algumas horas mexendo na motoca é uma terapia impagável.

Expostos os meus argumentos, passemos à manutenção em questão: troca de óleo do motor.

Apesar da última revisão ter acontecido há apenas 3 meses, a viagem ao Atacama consumiu os 5.000 quilômetros de vida útil do Motul 5100 colocado pela concessionária e no último domingo, finalmente, consegui descer para a garagem durante um par de horas e trocar o óleo da GS.

Primeiro o primário: o que utilizei?

  • 3 litros de óleo
  • filtro de óleo
  • arruela de vedação do parafuso do cárter
  • chave allen (parafuso do cárter)
  • chave L (protetor do cárter)
  • saca filtro
  • bandeja
  • funil

A troca de óleo de uma moto qualquer, por si só, não reserva muitos surpresas: depois de colocar a moto no cavalete, deixei o motor ligado por alguns minutos e retirei o parafuso do cárter, por onde saíram quase 3 litros de óleo; saquei fora o filtro em seguida (se o amigo leitor gosta de fazer um serviço limpo, talvez seja interessante colocar um jornal entre o filtro e o cárter para evitar que este último fique emplastado), por onde escorreu mais um pouco do óleo queimado e bastou colocar o parafuso do cárter (com uma arruela de vedação nova) e o novo filtro (com uma passada de óleo queimado na borracha de vedação) nos seus lugares para devolver o lubrificante ao coração da moto.

Simples e rápido. Mas que marca de óleo usar? E de filtro? É possível reutilizar a arruela de vedação? E o que fazer com os resíduos? Vejamos.

Como não tenho reclamações a respeito do óleo usado pela concessionária, segui utilizando o Motul, marca reconhecida como uma das melhores do mercado – mas aqui cabe uma observação importante: existe um Motul 5100 10W50, que por ser mais viscoso pode, em teoria, deixar de lubrificar alguns lugares do motor. E adivinhe como descobri isso? Claro: pedi um Motul 5100, exatamente o mesmo usado pela concessionária, e só em casa percebi que era 10W50 (e eu sabia que deveria usar o 10W40 pela descrição da nota fiscal da última revisão).

A novela do filtro, por outro lado, é mais extensa: pesquisei sobre o assunto em vários fóruns de proprietários e encontrei os mais diferentes relatos, inclusive alguns deles apontando como compatíveis os filtros do Ford Ka e do Renault Clio. As as discussões vão longe e, apesar de alguns estarem utilizando estes modelos há bastante tempo (e outros apontarem os possíveis problemas, como resistência à pressão e vazão), não tive segurança suficiente para encarar a experiência.

Segundo os fabricantes de filtros de óleo, existem basicamente dois mecanismos que podem ou não fazer parte da construção de um modelo específico: a válvula de alívio (que permite a passagem do óleo de volta para o motor sem passar pelo elemento filtrante, para o caso do filtro restringir a passagem por excesso de sujeira ou de viscosidade do óleo) e a válvula anti-retorno, necessária em alguns casos para evitar que, ao desligar o motor, o óleo volte todo ao cárter e comprometa a lubrificação na próxima partida (pelo tipo de construção do motor da F 800, não me parece que seja necessária essa válvula; durante a troca, é possível perceber que o filtro está sempre cheio de óleo).

No final das contas, acabei comprando um filtro da marca Athena, que já foi utilizado por outros proprietários e é homologado para as  F 800 (R e GS). Na próxima troca, vou me organizar melhor e tentar comprar no eBay um K&N, que, além de ser um produto de qualidade, pode ser retirado com uma chave de boca e dispensa o saca filtro.

Por falta de outra alternativa, comprei dois anéis de vedação na concessionária e acertei ao não tentar reutilizar o que estava na moto: o aperto do parafuso contra o cárter cria um vinco na arruela que certamente faria com que ela não cumprisse seu papel (li em algum lugar que os filtros K&N já vêm com essa arruela, então pode ser uma forma de economizar mais R$ 8 na troca do óleo).

No final das contas, serviço feito, sobra a bagunça. Não me preocupei em limpar criteriosamente a bandeja e o funil, pois serão novamente utilizados em breve, e aproveitei os litros vazios de óleo para colocar o que saiu do motor para levá-los até o posto de gasolina onde normalmente abasteço para o descarte adequado. O filtro usado está guardado para uma comparação futura: vou serrá-los todos (o da concessionária, este que coloquei agora, um K&N e um veicular) e descobrir se possuem os mesmos mecanismos de segurança.

54 Comentários

Olá Cássio, beleza?

Fiquei com uma dúvida, mesmo tu tendo dito que na concessionária colocaram o Motul 5100 10W40. Esse é o óleo original da sua moto?

Semana passada revisei a minha Ténéré 250 e resolvi colocar o Motul 5100 10W50, (o original é um mineral 20W50 da Yamalube) e fiquei impressionado com a diferença, parece que antes estava travado e agora o motor está livre, livre. Quero ver se aguenta 5 000 km.

Abraço!

Marcelo, o manual aponta o 10W40 como o adequado, mas não fala do Motul (cita apenas o Castrol e as especificações para uso de outra marca). Interessante mesmo seria saber por que a BMW recomenda trocas de óleo a cada 10.000 quilômetros…

Abração!

Bela explicação.

Eu só Uso Motum em minha 750 óleo melhor não á Pergunto eu a manutenção da 800 é pesada ( cara )? vou comprar até o final do ano uma GS650 pq a 800 ainda não da este é o motivo da pergunta.

Abraços.

Muito bom, Piréx!
Justamente agora que estou querendo eu mesmo fazer a troca do óleo da minha Bandit 650, foi muito bem vinda a dica sobre o anel de vedação.
Quanto ao filtro, comprei da K&N no site do próprio fabricante, e o preço ficou ligeiramente mais baixo que o do filtro original da Suzuki no Brasil, mesmo com a taxação da Receita Federal.
Agora é só colocar a mão na massa, digo, no óleo.

Abraço!

Se recomenda, ainda mais sendo a BMW, é porque aguenta tal quilometragem. Simples assim. As Triumph e a Honda Hornet por exemplo, tem essa troca de óleo com alta km também. Nesses casos, é mais delicado ainda encontrar um óleo tão bom quanto, senão melhor que o original, pois para aguentar essa alta km, sem baixar muito e/ou perder as propriedades de proteção do motor, é complicado. Assim como recomendam nas Triumph, tenha atenção ao nível de óleo, e complete, sempre que ele estiver próximo da marca inferior do indicador. Na minha Ténérézinha, vou com essa troca de óleo usando o Motul, somente trocar com 5 000 km rodados, que é a km indicada no manual. Se com o Yamalube, mineral, já é recomendada essa km, creio que não terei problemas com o Motul.

Abraço!

Wagner:
Feita em casa e procurando preços bons nas peças de reposição (não há o que não possa ser comprado pela internet), a manutenção não é cara; na concessionária, como as demais marcas, o preço é mais salgado (os detalhes das revisões estão em BMW F 800 GS, 10.000 km depois: aqui ainda falta a revisão dos 20.000 km, que saiu mais ou menos R$ 800). Durante os 2 anos da garantia não tem jeito… É preciso bancar o preço da concessionária.

Vainer:
Quando fizeres a troca na tua moto, compartilhe aqui a experiência. Uma dúvida: o K&N da tua moto tem esse encaixe para uma chave de boca para tirá-lo sem o saca filtro?

Marcelo:
Minha dúvida é justamente quanto a essa divergência nas quilometragens. Para pegar um exemplo, a Suzuki recomenda trocas a cada 3.000 km para a DL650 e proporcionalmente – potência, torque, cilindros, embreagem banhada no mesmo óleo – a construção dos motores é semelhante. Não imagino como o mesmo óleo possa degenerar tanto na DL e tão pouco na GS (mesmo se levarmos em conta a margem de segurança do óleo, ainda assim os valores são muito díspares). No site da Motul, muito prudentemente, a ficha técnica do 5100 10W40 informa que a durabilidade é “de acordo com a especificação do fabricante” – mas já ouvi de um revendedor que eles garantem 5.000 km de uso.

Abraços!

Amigo, tu é até mais experiente que eu, mas vou dar uma dica, ignore tudo que revendedores, balconistas e derivados disserem. Quando fui comprar o Mobil 5100 10W50 o entendedor balconista disse que esse óleo “aguenta 3000 km”… Como eu disse, o Yamalube, mineral, tem troca determinada a cada 5000km….logo, de esperto, o balconista da motopeças que fui não sabe nada do que está falando…

O que é o correto a seguir é “usar óleo IGUAL ou SUPERIOR” ao recomendado, e trocar no prazo estipulado para a moto e não para o óleo. No caso da minha trocar qualquer óleo que eu coloque com 5000km e não mais que isso.

Abraço!

Piréx,
Pode deixar, que posto aqui a minha experiência.
Pelo que vi na foto (http://www.knfilters.com/search/product.aspx?prod=KN-138) tem sim o tal encaixe para a chave. Parece ser padrão nos filtros da marca.

Abraço!

Piréx,

sensacional essa idéia de cortar os filtros para fazer um comparativo na construção.

Aguardo ansiosamente os resultados!!!

Abçs

Grande Mestre,

muito boas as dicas, apenas fiquei na dúvida de quando será nossa quinta gaudéria em sua residência para já aproveitarmos a bandeja e o funil, de modo que a despesa fique apenas no óleo e no filtro, e poderemos economizar a despesa da mão de obra…

Já pensando se realmente irei para a MT ou não…já que ela também não vem com um banquinho ou escadinha…

Parabéns pelo conhecimento, até eu entendi…

Abraços,

Ovelha

Marcelo:
Concordo contigo sobre os ditos entendidos e um dos motivos mais importantes para o blog existir é essa troca de experiências entre usuários para que cheguemos a uma conclusão.

Vainer:
É o mesmo encaixe. O preço do modelo das F 800 (KN-164) está mais caro do que na Amazon ou no eBay (achei lá por US$ 12 ou 13). Vou aguardar o relato sobre a troca do óleo da tua moto.

Fred:
Assim que eu fizer isso, publico aqui os detalhes.

Ovelha:
Os V-Stromzeiros (Dedé e Landão) marcaram uma cerveja aqui para trocar o óleo das motos deles. Vamos ver o que acontece. Se for a troca primeiro, talvez até dê certo – mas se a cerveja tiver prioridade (e eu sei que terá), sabe-se lá o que vai sair desse serviço.

Abraços!

Grande Piréx, futuro garantido quando te aposentares do tribunal como mexânico de primeira!

Quanto ao óleo, essa é uma discussão antiquiquissima! Eu usava o Motul 5100 na minha Harley e a recomendação de troca era a cada 5.000 milhas, algo em torno do 8.000 km. O fato é que os óleos de primeira linha tem alta margem de segurança, principalmente quando usado em temperaturas amenas como a do Rio Grande do Sul e rodando mais em estradas do que na cidade. 10.000 km é uma marca garantida sem problemas para o Motul 5.100.

Diabolin:
Todas essas variáveis são consideráveis – ainda mais quando uma delas é a baixa rotação de um motor H-D, o que em teoria degeneraria menos o óleo -, mas é preciso lembrar que essa regra dos 10.000 km é da BMW em todo o Brasil (e o mesmo espanto, inversamente proporcional, vale para os 3.000 km no caso da Suzuki).

Grande abraço!

Pois estou usando o Motul 7100 10W40, senti o motor e as trocas de marcha muito mais leves, sem falar que o óleo é 100% sintético, troco a cada 5.000 km, mesmo dizendo para trocar com mais km, pois o óleo é muito barato comparando com o motor da moto, embreagem, etc.
Outra barbada, da para comprar o óleo direto do representante da Motul, valores infinitamente menores.

Bela dica, Adalto… Na próxima vez vou investigar essa compra com o representante (na loja, aqui em Porto Alegre, os 5100 batem nos R$40 por litro).

Abraço!

Piréx,
Retirei hoje nos Correios a encomenda dos filtros, e como fui obrigado a trocar o óleo da motoca semana passada, a minha troca “artesanal” vai ficar pra daqui a 3.000Km.
Ah, não vieram as tais arruelas do parafuso do cárter….
http://imageshack.com/a/img39/7918/6itp.jpg

Vainer, essa informação da arruela do parafuso veio de um fórum, então talvez seja verdade só em um determinado contexto (quando se compra o pacote com 3 filtros, por exemplo). De qualquer forma, a arruela em si, mesmo comprada na concessionária, não tem um valor altíssimo – mas não dá para chamar de barata também. Sigo no aguardo do relato da tua experiência de troca de óleo.

Grande abraço!

Gostaria de saber com quantos km se troca a relação da F800 GS? Pois a minha vai completar 30.000 km e vou ter de trocar, é isto mesmo? Posso colocar uma relação que não é BMW??

OBRIGADO

ITALO

Italo, o manual da GS não especifica a quilometragem da troca da relação e há proprietários que trocaram antes dos 30.000 km e outros perto dos 60.000 km: como não há um padrão, o melhor é avaliar o estado da tua (folga no último ajuste, dentes da coroa e do pinhão gastos ou tortos, etc) para decidir ou não pela troca.

Tenho visto o pessoal usando relações DID e Regina, marcas consagradas no mercado, e a única observação que todos fazem é que o modelo adequado, que suporte a carga que a GS aplica, seja utilizado. A que utilizo, ainda a original, é da marca Regina.

Abraço!

Piréx,
Parabéns pelas dicas.
Como faz para limpar as mensagens de serviço/manutenção.

BMW F800 GS

Paulo, até onde eu sei isso só é possível através de uma ferramenta de diagnóstico como a http://www.gs911usa.com/ (ou a da concessionária, claro). Também estou nessa: aquela mensagem no painel está começando a incomodar…

Abraço!

Ola, cara, me dá uma dicar: que saca filtro você utilizou para tirar o filtro original da F800GS??? Quero arrumar mas cada um fala uma coisa, o de cinta metálica desliza, o de correia não dá o grip e o de corrente pode danificar o filtro, e não consigo achar o soquete correspondente pra ela!!
Na próxima vou de K&N pra aliviar este problema!!

Jose Augusto, o saca-filtros que utilizo é o que aparece na primeira imagem, de cinta, e não tive problema algum com ele. Não escorrega, não arranha o filtro, nada – e ainda por cima é barato (pouco mais de R$ 10). O tamanho do filtro na GS, pequeno e com um obstáculo de cada lado, é que atrapalha um pouco. Também vou experimentar um K&N no futuro, mas não tenho do que reclamar da cinta.

Grande abraço!

Boa noite Piréx e leitores do blog,

Pesquisando na net sobre os hábitos dos proprietários de motocicletas BMW acabei encontrando o blog do Piréx (que a proposito é muito interessante) e resolvi deixar meu relato.

Espero a partir desta semana poder dar inicio a coleta de amostras de óleo no lugar onde comecei a trabalhar recentemente (prefiro não dizer onde). Meu intuito é tentar descobrir qual é a quilometragem recomendável para minha região (que é bem quente) nos diferentes modelos da linha BMW.
Providenciarei recipientes transparentes, daqueles que costumam usar para exames e assim que tiver os resultados compartilharei com vocês.
Ainda não tenho uma BMW, a F800GS está nos meus planos, só falta um pequeno detalhe ($$$ hahaha), porém, na minha moto (Honda CB500) eu costumo usar Mobil MX 20w50 e troco a cada 3.000km.
Vi uma resposta acima sobre sugestão de balconistas e etc… de trocar a cada 3.000km mesmo no caso do Motul 5100 (que considero bem superior), pra mim isso depende muito de como o proprietário trata a moto. A qualidade (ou falta dela) do combustível, a temperatura ambiente e o quanto o piloto vai abusar (ou não) do motor são fatores que devem ser levados em conta.
Eu sou um cara que costuma rodar 70% do tempo sem forçar muito o motor, ainda mais pelo fato da minha moto ser o meu unico meio de transporte e eu usá-la diariamente para ir e voltar do trabalho. Mesmo assim, troco o óleo a cada 3 ou no máximo 4.000km.
Como hoje em dia é complicado achar pessoas honestas, sempre ficamos com a impressão de que alguém quer tirar vantagem quando dizem que devemos antecipar a troca em relação ao recomendado pelo fabricante. Isso pode sim ser uma “jogada” pra vender mais óleo por parte do vendedor, mas, não deixa de ser interessante pra manutenção do motor. Pois nossa gasolina, via de regra, já é uma porcaria, podium tá custando um rim, e mesmo assim também pode estar adulterada. A unica saída é cuidar pra que óleo do motor esteja sempre na melhor condição possível.
Antes de mais nada, eu sou apaixonado por moto, não tenho nada contra o uso do equipamento “no limite”, só desejo que os proprietários tenham o bom senso de fazer a manutenção adequada pra poder prolongar a vida útil da motocicleta de maneira que evite uma despesa bem maior do que a troca de óleo.
Falei pra caramba pra dizer que 5.000km, na minha humilde opinião, deveria ser o limite máximo recomendado, pelo menos pra minha região (onde a temperatura ambiente é bem alta).

Não sei se ajudei em algo, mas espero voltar mais adiante com resultados da minha pequena pesquisa sobre óleo.

Abraço!

Mecânico, antes de mais nada quero te agradecer por compartilhar tua experiência aqui no Diário de Bordo: certamente teu conhecimento será de grande utilidade para todos aqui. Eu não costumo abusar da minha moto – apesar de utilizá-la diariamente no trânsito de uma capital, onde o para-e-arranca abusa tanto ou mais quanto acelerar até o limite – e fico sempre de olho na situação do óleo nas trocas. Estou quase chegando nos 5.000 km rodados desde a última troca e em breve devo fazer outra e abrir os filtros que guardei em casa conforme comentei neste artigo.

Grande abraço!

Fala meu camarada …
Excelentes observações …
Vou de 5100 na minha … só uma dúvida: essa arruela, vc tem alguma especificação dela? Tipo … Casa de parafusos aqui na minha cidade tem todas as arruelas possíveis para esse fim, restando apenas ter uma dica de medida.
Grande abraço.

Coloca da próxima vez o Motul V300 5w 40.
É o top dos óleos! Coloquei na minha BMW f800r.
Aumenta a potência em 1,3% e a troca vou fazer com 3000km com troca sempre do filtro e arruela!

Rafael, essa arruela tem diâmetro externo aproximado de 30 milímetros e interno de 27 milímetros. O material parece ser alumínio e é bastante maleável. Não existe muita informação sobre ela em português, mas podes pesquisar por “Drain Plug Crush Washer”. Segundo o manual de serviço, o código da peça é 11 41 7652949.

Obrigado pela dica, Carlos.

Abracos!

Valeu mesmo pela informação… Troquei da minha 250 hj e percebi que a arruela está perfeita. Na BMW se não me engano eh menos de 10 pilas.. O ruim eh q eh mt longe. Comprei no ML o kit com 3L de óleo motul 15w50 + filtro hiflo HF160… Eu mesmo vou trocar.. Vamos ver que bicho da… Rsrs.

Essa coisa de reaproveitar o anel de vedação é uma discussão sem fim, Rafael: onde mais tem proprietários discutindo isso é no fórum Adventure Rider (http://advrider.com/) e nunca vi um consenso. Um dono de BMW disse que usa o mesmo anel de vedação há 110 mil quilômetros, mas é difícil afirmar o que é mais correto; ele não custa uma fortuna e sempre compro uns 5 ou 6 – para valer a pena a ida até a concessionária -, mas acho o preço exagerado (mesmo nos EUA, onde o anel custa US$ 1,50).

Abraço!

Exatamente…. O ruim é sair de Niterói pra Barra pra comprar uma arruela de 8 reais rs. Quem sabe quando for pra aqueles lados passear… Compro umas três pra estoque. Cm eu disse anteriormente.. Na minha 250 eu troco o óleo a cada 2500km rodados… A arruela está em perfeito estado… E já fiz umas cinco trocas.. Já q o bujao não deve sofrer aperto demasiado.. Apenas um leve aperto final. Mudando de assunto… O filtro da marca HIFLO… Correto eh o HF160? Pq na hora de comprar.. O vendedor fez confusão com o K&N que eh o 164… Mas da marca HIFLO eh 160…

Rafael, segundo o catálogo da Hiflo o filtro correto para a F 800 GS é o HF160. Lá:

http://www.hiflofiltro.com/application-guide/

Abraço!

Pessoal… Ajuda aí… Fiz a manutenção da F800 hj…. Troquei filtros de óleo e ar… O óleo… Nada de vazamento.. Servido fácil.. Dps.. Não sei se por coincidência.. Meu alerta parou de funcionar.. Aviso no painel “lamp”. Detalhe que os quatro piscas estão funcionando no modo seta. Apenas o alerta que não funciona… Alguém saberia dizer se pode ser fusível ou algo assim? Fico no aguardo…. Abraço a todos.

Rafael, imagino que esse caso tenha a ver com a lâmpada traseira, correto? Ou o alerta segue em funcionar? Se sim, realmente parece um caso de fusível, já que as setas estão Ok.

Abraço!

Isso… Ainda não consegui tirar a lâmpada traseira… Vou pôr um pouco de WD pra tentar soltar… Quanto ao alerta.. Nada ainda.. Mas que eu soube.. A série F800 da BMW.. Cm acredito com todas outras.. Não tem fusível.. Sendo apenas sistema eletrônico… Correto?

Isso, Rafael: tudo controlado por uma central. Mas o modelo da tua BMW é F 800 R? A sinaleira traseira é com lâmpada em vez de led?

Abraço!

Isso…. F800R… 13… Azul e branca… Traseira de lâmpada dois pólos.. Não eh Led.

E então, Rafael? Conseguiu resolver a questão da lâmpada?

Abraço!

Eu troquei a bateria naquele dia… Mas era bateria Bosch que tive que preparar.. Ou seja.. Veio sem a tampa, inseri o líquido e tampei. Na mesma hora a moto funcionou. Guardei e não andei mais. Ontem a moto não tinha carga nenhuma. Acredito que tinha que ligar a moto e dar umas voltas com ela… Pra ativar a bateria acredito eu. A lâmpada eu não mexi ainda.. Um colega me sugeriu colocar um pouco de desengripante, porque não eh normal a lâmpada presa daquele jeito.

Quando resolveres o problema da lâmpada, Rafael, compartilhe conosco a solução.

Abraço!

Boa tarde a todos,
Tenho uma fã 800 trophy 12/12
Comprei recentemente
Hoje a moto tem 7000km
Semana passada fui na cc fazer a manutenção anual
O óleo anterior, conforme nota fiscal do serviço de outra cc de São Paulo, foi o motul 5100 15w50.
Nessa troca colocaram o mobil super moto 4T 15W50
Estou desconfiado da qualidade desse óleo
Desculpe a falta de conhecimento, mas peço um comentário dos colegas
Abraço

Mobil? Nunca ouvi falar de uma CC ter utilizado óleo Mobil num troca de óleo… Mas eh aquilo.. Em tempo de crise todo mundo quer levar vantagem em alguma coisa… Verifica nos papéis da revisão se consta o óleo utilizado… Se não… Faça constar… Pq lá na frente vc tem arquivado q o óleo utilizado seja esse. Reitero q não estou dizendo q o óleo Mobil seja de má qualidade, mas o normal eh a utilização do Motul 5100… No máximo dependendo da localidade… Trocar entre o 15w50 e o 40.. Mas sempre Motul. Verifica aí é certamente não consta na nota de serviço a marca de óleo utilizado.

Olá Rafael,
Esta discriminado na nota sim
Da mesma maneira que escrevi
Tenho lido a respeito e concordo com você
Sempre leio que o motul 5100
No manual está indicado o castelo 10w40
Também achei estranho

Rafael,
No manual (folha 133) consta:
Classe de viscosidade recomendada:
SAE 10W40 ou SAE 15W40.
Também consta nessa folha: BMW recomenda CASTROL.

Olhando as notas fiscais que vieram com a moto, a de 1000km colocaram:
Cód. produto: MT338 – descrição do produto: 5100 4T ESTER SAE 15W50 (TAMBOR)
Na segunda revisão por tempo, na mesma cc em São Paulo, consta da nota a mesma descrição da revisão de 1000km.
Na revisão que mandei fazer na cc de minha cidade foi como relatei: consta na nota: descrição do produto ÓLEO MOBIL SUPER MOTO 4T MX 15W50
Estou pensando seriamente em trocar novamente, numa oficina de um mecânico que conheço ( trabalha com HD e BMW.
Compro o motul 5100 15W50 ( igual as duas primeiras revisões), mesmo tendo que pagar novamente por que pretendo ficar um bom tempo com a 800
E aí???

Se for apenas trocar o óleo, beleza, pois não haverá indícios de que você fez alguma manutenção fora da CC de modo a perder a garantia. Mas foi cm eu disse… Não tenho cm afirmar se o Mobil eh um óleo ruim. Vai da condição de vc querer gastar um dinheiro a mais por não sentir confiança no óleo utilizado.

Valeu Rafael
Agradeço sua atencao

Julio, tua preocupação com o óleo é justificável e concordo plenamente. Nunca usei o Mobil e se pesquisares nos fóruns de proprietários verás opiniões contra e a favor, então sigo pelo manual (Castrol) ou pela experiência positiva (Motul). Se estás desconfiado, o melhor é trocar para rodar tranquilo.

Abraço!

Olá Piréx e todo o pessoal!
Venho acompanhando as várias dúvidas aqui, e em outras páginas na web. E sempre falam Motul, Motul, Motul. É sabido da alta qualidade do lubrificante e quase sempre as CC o usam. Porém, há várias marcas até 100% sintéticos e de especificação mais alta. Enfim, alguém já utilizou outros óleos? Porque o manual diz Castrol, as CC usam Motul, imagino que seja o medo de dar pau no motor colocando outros óleos. Estou curioso, pois filtro sei que há vários possíveis, mas e os óleos? Obrigado pelas informações. abraço!

Aender, eu segui usando o Motul depois que a moto saiu da garantia justamente pelo motivo que citaste: usavam esse na concessionária e, como nunca percebi nada errado, preferi continuar no mesmo por segurança. Nos fóruns de proprietários é comum encontrar essa discussão e muitos migrando para outras marcas e tipos – o que uso é o 5100, semissintético -, mas acredito que entre os fabricantes globais há uma equivalência em qualidade e mesmo passando para o sintético não haveria uma grande mudança (no projeto F 800: em outros casos, é possível que os engenheiros tenham projetado todo um comportamento baseado no uso de um óleo sintético, por exemplo).

Abraço!

Olá Pirex! Concordo plenamente contigo, inclusive sempre utilizei o 5100 e filtro novo a cada troca. Curioso esse seu comentário a respeito do projeto da moto, etc. Legal!
Mas, não quero aqui criar polêmicas, cada um faz o que achar melhor para sua motoca é claro… nas CC, como sempre usam o Motul nas revisões, já perguntei, e os caras se limitam a dizer “não coloquem outros óleos”, sem ao menos justificar o porquê. Me parece um tipo de venda casada, pois pesquisando, se encontra óleos de mesma especificação e até superiores. Curiosos também que, ainda não encontrei ninguém tecendo comentários com experiência com outros lubrificantes….. Vamos de 5100… Que emoção acelerar essa “Kavala”!
Abraço e obrigado.

Certamente há acordos comerciais por parte das montadoras, Aender (tanto que a Castrol é preterida pela BMW no Brasil, apesar da marca – e não apenas a especificação – constar no manual), e nos cabe pesquisar para chegar à uma conclusão. A Motul aponta a sua forma de produzir o semissintético como superior (melhor que o mineral, mais barato que o sintético), mas cada projeto de motor é um universo diferente: imagine a que tipo de esforço o óleo é submetido no motor de uma BMW S1000RR HP4, que gera 193 hp a 13000 rpm e a faixa vermelha do contagiros vai dos 14 aos 16000 rpm… Haja aula de cálculo para formar engenheiros que saibam projetar motores tão variados e óleos que lubrifiquem todos eles.

Abraço!

Olá Piréx, comprei recentemente uma F800GS, a moto ainda está na garantia, pois não completou nem 2 mil km, mas pretendo efetuar as tocas de óleo de 5 em 5 mil, mas tenho uma dúvida: na primeira revisão que fiz na CC, revisão dos primeiros mil km, veio na nota fiscal especificado o óleo BMW MOTORRAD ADVANTEC PRO 15W50. Portanto a minha dúvida é saber se esse óleo é sintético ou semissintético? Superior ou inferior ao Motul 5100 10W40? E se esse óleo é da Shell?

Obrigado.

Lesali:

Pelo que pude ler, esse óleo foi produzido pela Shell para a BMW e é semissintético. Não acredito que o Motul fique devendo em nenhum aspecto, assim como é difícil imaginar que a BMW colocaria seu nome em um produto de qualidade inferior aos concorrentes.

Abraço!

Muito boa a explicação. Outro risco importante é colocar um lubrificante incorreto. Claro que isso vai da qualidade do serviço automotivo. Tive duvidas sobre o volume e lubrificante correto e encontrei a resposta no site abaixo que pode ajudar outros clientes. E dessa maneira fui fazer a troca mais preparado para falar com o mecânico. https://www.webgarage.com.br/

Deixe um comentário

    REDES:  

  • rss
  • youtube
  •  
  • PESQUISAR NOS ARQUIVOS: