Viaduto do Exército


Rota: Porto Alegre / Lajeado / Encantado / Muçum / Encantado / Lajeado / Porto Alegre

Distância percorrida: 310 km de asfalto e 30 km de chão batido [tracklog]

Sabadão de sol, verão entregando os pontos na Província de São Pedro do Rio Grande do Sul… Hora de colocar em prática uma ideia antiga: conhecer o Viaduto do Exército, construção localizada no trecho da EF-491 (conhecida como Ferrovia do Trigo) que fica no município de Vespasiano Corrêa (RS).

Construído pelo 1º Batalhão Ferroviário do Exército Brasileiro e inaugurado pelo então presidente Ernesto Geisel no final da década de 1970, o Viaduto do Exército é considerado o segundo mais alto do mundo e o maior viaduto ferroviário da América Latina. Cada pilar é composto por 4 paredes de 80 centímetros de espessura média e suas fundações estão enterradas a 21 metros de profundidade.

Pouco depois das 8h da manhã, horário tido por cedo pelos demais participantes da motocada, já estávamos montados nos cavalos de aço para cruzar os 150 km que separam a capital de todos gaúchos de Muçum (RS). Com o fim do asfalto, já em Muçum, passamos aos 15 km de chão batido que margeiam o Rio Guaporé e levam ao famoso Viaduto 13: visto de baixo, a obra é grandiosa e seus 143 metros de altura e 509 de extensão impõem respeito (ou dão medo, como queiram).

A estrada que leva ao viaduto possui mais ou menos 1 km e pode ser vencida de carro ou moto – mas, por segurança, optamos por caminhar até lá: antes da primeira curva o suor escorrendo no rosto indicava que, além do sol, as botas e calças cobrariam um alto preço pela subida. Quando chegamos lá em cima, o suor e a subida foram apagados pelo visual impressionante do viaduto; antes dele, preferimos percorrer o túnel (na mais completa escuridão: impossível ver um palmo à frente do nariz) até o primeiro conjunto de janelas. Voltamos – literalmente – pelo mesmo trilho e em poucos minutos estávamos pendurados a quase 150 metros do chão em pequenas plataformas de concreto, hipnotizados pela beleza da vista.

Antes de tomar o rumo de casa, comemos uma dúzia de pastéis (os quais recomendo fortemente aos visitantes) no quiosque que fica na base do viaduto e relaxamos por um bom tempo, conversando sobre assuntos variados ao mesmo tempo em que contemplávamos aquela obra assombrosa.

Baita motocada, gurizada: gracias pela parceria.

17 Comentários

Em quase todo lugar que se vá, tem coisas legais pra se ver. Todo mundo sabe uma dica, e os destinos vão “se criando”. Parabéns pelas fotos.

Piréx, muito show o lugar e a dica. Belas fotos e reportagens !

Espetáculo, Piréx! Visual impressionante! Belas fotos.

Vou colocar essa na minha relação de futuras/quem sabe/logo, logo.

Não teve uma Harley no passeio, sic. Lógico, tiro curto… Parabéns pelas fotos, amei ver minha câmera numa delas. EL GDM

Show de fotos e belo lugar, quem sabe um dia, rsrsrsrsrsr.

Lugar simplesmente XDB. Parabéns Piréx. Meio longe pra gente, aqui de Sampa. Mas que dá vontade, isso dá.

Grande mestre,

pena que estou quase a pé, a ML precisa reparos e ando agora só o mínimo possível. Lamento não ter moto para ir nestas…

Mas vou conhecer o lugar com cerveja.

Abraços,

Ovelha

E aí Pirex, baita banda, te exibindo só pq tá de trail agora!!! Hahahha

Bruno, acho que pegaste o espírito da coisa: EXIBIDO! Só porque nós, pobres mortais, continuamos de custom! Huahuahuahuahuahuahuahuahuahua

Ah Diabolin, pára de chorar e bota a mão no bolso. Olha só que barbada:

http://www.moto.com.br/anunciosv2/anuncio/moto_suzuki_dr_650_res-456728.html

Alexandre:
Um dos objetivos do Diário de Bordo é justamente compartilhar destinos (muitos deles eu encontrei em outros blogs que fazem o mesmo) e motivar os leitores a colocarem o pé na estrada.

Fernando:
O lugar é show mesmo. Eu voltaria lá para conhecer alguns detalhes – como os trechos anterior e posterior do viaduto – que por falta de tempo acabaram ficando de fora. E pelo pastel, claro.

Diabolin:
Quando comprares uma moto on/off eu volto lá contigo.

GDM:
Não foi por falta de convite. Vamos ver se nos acompanhas na próxima.

Minerin:
A estrada que leva ao viaduto 13 é um asfalto perto das que encontraste em tua última viagem… Mas podemos procurar outras mais interessantes. Quando vieres novamente ao RS faremos isso.

Mauro:
É longe, mas deem um grito quando vocês estiverem passando por aqui e agilizamos um bonde para escoltá-los até aquele e outros lugares. Parceria não vai faltar.

Ovelha:
Vale a pena conhecer o lugar lá. E a estrada é bem mais amigável do que aquelas que encontraste ao redor de São Chico.

Bruno:
Estou colocando pilha e só esperando os amigos migrarem para as trails. O Landão foi o último a entregar os pontos e estou sabendo que tem mais um pronto para pular do asfalto para o chão batido (mas isso não quer dizer que eu não vá mais ter H-Ds).

Landão:
Eu acho que o Diabolin está desdenhando – e quem desdenha…

Abraços!

Esse ano espero vocês no 14 encontro do cachorro locô em Farroupilha nos dias 07 a 09 de dezembro.
Mais informaçoes é so entrar no site
forte abraço do Cachorrão

Lindo esse passeio de Encantado a Porto Alegre
Abraços

Valeu pelo convite, Gabriel.

Grande abraço!

Quelospara…
Coisa de cinema…
E que bela plataforma para um Base Jump.
E o Landão todo faceiro, não é?

Seo Craudio, o lugar é show: no YouTube tem alguns vídeos do pessoal fazendo rapel e base jump lá de cima. É de dar medo. E o Landão (agora Vandão) está bem à vontade com a DL. Nasceu para o off-road.

Abraço!

Baita motacada mesmo! Essa região possui vários outros viadutos menores do que este, porem não menos bonitos e imponentes. O segundo mair viaduto da ferrovia do trigo, conhecido como viaduto da mula preta, é um dois mais bonitos, fica na cidade de Dois Lajeados, vale muito a pena conhecer também. Para quem quiser tem algumas fotos no facebook do nosso moto grupo Selvagens do Asfalto…

Valeu pela dica, Marcos.

Grande abraço!

Deixe um comentário

    REDES:  

  • rss
  • youtube
  •  
  • PESQUISAR NOS ARQUIVOS: